Entenda

A população mundial está cada vez mais vulnerável aos efeitos das mudanças climáticas. Até 2050, estima-se que mais de 250 mil pessoas morram em decorrência de eventos climáticos extremos e que pelo menos 100 milhões fiquem à beira da pobreza até 2030, de acordo com  o estudo britânico ‘The Imperative for Climate Action to Protect Health’. O ano de 2017, por exemplo, foi o campeão em perdas relacionadas ao clima: eventos extremos causaram 11,5 mil mortes, segundo o Índice Global de Risco Climático, elaborado pela organização Germanwatch.

Tais mudanças também representam uma ameaça sem precedentes à saúde, especialmente para crianças, que constituem 26% da população mundial. Eventos climáticos extremos como secas, enchentes e ondas de calor tendem a aumentar em frequência e intensidade e, por sua especial condição de vulnerabilidade e desenvolvimento, crianças são mais suscetíveis a qualquer impacto vindo do ambiente, tendo seu desenvolvimento prejudicado ou mesmo interrompido. Em 2015, 5,9 milhões de crianças morreram antes dos cinco anos e 26% dessas mortes poderiam ter sido evitadas com atenção a riscos ambientais.

Temas

Foto em preto e branco de criança com lenço de papel no nariz como se espirasse. Ao fundo, vários carros.

Poluição do ar

No mundo, nove em cada dez pessoas respiram ar contendo altos níveis de poluente.

Ações